– Bem-vindo a bordo!
– …!?
– Sim sou Mestre do Mar, às suas ordens. Vamos subir ali para o tombadilho. Vê-se melhor o mar. Desde já o aviso que a minha história não tem fim. O Oceano é mais extenso do que a nossa compreensão acerca dele…
– …?
– Bem, sou conhecido por Mestre do Mar porque vivi muitos anos com o mar, naveguei por lugares distantes, e ao longo desses anos aprendi e acumulei experiências diversas e com elas uma sabedoria com sabor a mar. Também estudei em escolas náuticas, tirei vários cursos de pilotagem, geografia, astronomia, etc. Nada do que eu sei é novidade. Hoje, com a internet, o conhecimento está, felizmente ao alcance de todos. Basta que se interessem. O problema é que muitas pessoas preferem distrair-se com futebol, religião, dogmatismos, banalidades… Ignoram o Oceano. Para mim, o Oceano é a minha religião. Não basta estudar o Oceano. E preciso navegar, praticar, fazer, decidir, aprender a estar preparado para as contingências do mar, saber reagir a adversidades. Teorias há muitas… Fala-se muito e faz-se pouco pelo Oceano. Existe uma atitude generalizada e rotineira do “deixa andar”. Ignoramos o Oceano. O meu problema é que sou homem do mar, e portanto, cabeça no ar… tenho paixão pelo Oceano, mas distraio-me muito a contemplar esta imensidão. De repente, em vez de olhar, estou a sonhar. E só acordo com um balanço mais forte, um apito ou alguém achamar por mim…